A separação em números

É fato: casa-se mais, separa-se mais, recasa-se mais. Nunca tive pruridos em relação a certas coisas que comumente ruborizam a maioria das pessoas. O fato de ter casado muitas vezes, por exemplo. No meu caso foram três, com três mulheres que um dia foram os meus amores e com as quais dividi casa, vivi momentos importantes, viajei muito, fiz projetos e realizei sonhos. E, claro, com as quais dividi a dor de toda separação. Foram relacionamentos felizes. Acabaram, o que não é o mesmo que dizer que não deram certo. Foram 10, 10 e 11 anos. Tempo bom, como se pode ver. É verdade que, nesse aspecto, estive sempre à frente do meu tempo e o primeiro deles, tinha eu 20 anos, não precisou de papeis passados para acontecer. Que diferença fez? Nunca fui freelancer em matéria de amor. Sexo é outra coisa. Mas amar exige proximidade, convivência, roçar de pele na madrugada.

Escrevo sobre isso quando tenho em mãos alguns resultados do último censo do IBGE. 243.224 casais brasileiros se divorciaram no ano passado. Nada preocupante: são quase 500 mil brasileiros que tentaram ser felizes juntos, até que a convivência por algum motivo tenha se tornado insuportável. E, o que mais importa, que viram na separação legal a alternativa para tentarem reconstruir suas vidas e buscar de novo a felicidade.

Tenho dois filhos que me amam e que amam sua mãe e o seu atual marido, com quem mantenho uma relação de respeito, cordialidade e admiração recíprocos. Não raro, sentamos à mesa para pôr em dia o que é de interesse comum de nossas vidas: os filhos à frente. Casar não é renunciar à vida em favor de ninguém, o que muitas vezes constitui o segredo dos casamentos longevos. Nem a separação, por dolorosa que seja, é algo com que mesmo os filhos não possam lidar com naturalidade. É bastante que os pais saibam administrar esse momento difícil com serenidade e equilíbrio, o que muitas vezes significa saber chorar juntos. Há sempre mais que adeuses nas despedidas.

Não há separação sem dor. É natural que haja sofrimento, notadamente quando existem filhos pequenos. Assim como é natural que uma das partes saia machucada, que nem sempre é possível, nesse aspecto, que a separação se dê por vontade subjetiva dos dois. Quando isso acontece, tudo se torna mais fácil, desde a partilha dos bens até a educação dos filhos. No meu caso, isso jamais foi um problema. Nunca foi necessário marcar dia e hora para ver os pequenos ou território neutro para apanhá-los. Por isso, estou certo, nossos filhos puderam crescer bem, saudáveis e felizes.

Vejo que há entre os jovens um potencial romântico enorme, e que, por mais levianas que pareçam ser as relações, no tempo do "ficar", compram-se mais livros sobre relacionamentos e sobre o amor; veem-se mais filmes sobre casais, encontros, reencontros, perdas e recomeços. Sinto que ainda é possível alimentar o sonho de que o casamento seja para sempre. É preciso, no entanto, pensar mais sobre as renúncias e as concessões que esta decisão exige. Acho mesmo que existe no casamento alguma coisa sagrada, que deve ser alimentada no coração dos nossos filhos, mas que ele nunca seja visto como um tipo de condenação, uma morte em vida. Separar pode ser um ato de amor.






4 comentários:

  1. "Separar pode ser um amor". Diria, quase perfeita a oração. Pela crônica, as suas experiências mercem reflexões por parte de quem pretende se separar, ou já se separaram, pela forma como você conseguiu separar as coisas. Acho separar deveria ser um ato de amor, mas isso só seeria possível na sua assertiva da vontade subjetiva dos dois. Igual a você, vivi as mesmas situações, também sem problemas iniciais, exceto a dor da separação e a distância dos filhos. Também nunca tive problemas com visitas, lugares neutros.. etc. O me me causa espécie é que, depois de anos de separado, vi-me separado, realmente, de um dos meus filhos. Se não é inusitado ( pelo pai que sempre fui, acredito que muito bom) é curioso. Aí, meu ilustre escritor e amigo, pelas mãos de quem esse hiato se formou, foge-me à compreensão. Por isso, separar deveria ser um ato de amor. Mas cada caso é um caso, certo? grande abraço e parabéns por tão corretas colocações a cerca de tão complicado assunto.

    ResponderExcluir
  2. Erratas: onde está escrito "experiências mercem", leia-se merecem. Não é seeriam, e sim, seriam e, por fim, não é " o me me causa espécie" e sim, o que me causa espécie. ´´E a pressa, desculpem seletos leitores do meu amigo.

    ResponderExcluir
  3. "Separar pode ser um ato de amor"... Um ato de amor que dói. Mesmo tendo me separado sem já não mais "amar" meu marido, sinto muita falta dele. Sinto-me um pouco perdida, com saudade do amor que por ele senti.

    ResponderExcluir
  4. É natural este sentimento, que, no entanto, não deve constituir um entrave para o recomeço. A saudade, sem a dor do início, pode ser um sentimento bonito e edificante. Quando ficam apenas as boas lembranças, a recordação dos momentos felizes, a alma em paz estará finalmente preparada para acolher um novo amor. Obrigado pelo comentário!

    ResponderExcluir