A Arte é indispensável

 

Ao trazer a público o intempestivo projeto de mudança para o ensino médio, o presidente ilegítimo Michel Temer ocasionou não apenas uma mobilização nacional contra o que se considera autoritário e descabido no momento delicado que vive o país, bem como provocou, o que acabou positivo, um inusitado questionamento em torno da importância de figurar no núcleo comum das escolas públicas e privadas as disciplinas de educação física, sociologia, filosofia e artes. Sem fechar os olhos para as três primeiras, não menos relevantes para a formação de jovens saudáveis e dotados de senso crítico, criatividade e capacidade reflexiva, é sobre a última que gostaria de tecer aqui algumas considerações.

O primeiro passo, todavia, enseja a retomada de uma das questões mais remotas do campo da estética: o que é arte? Veremos, a partir daí, quão complexa é a matéria, razão por que essa questão ocupa lugar e espaço importantíssimos nos melhores tratados acerca do conhecimento humano, no vastíssimo campo da filosofia, da historiografia e da crítica de Arte . Ocorre-me lembrar, a propósito da difícil definição, as palavras de Benedetto Croce numa reflexão famosa: "A Arte é aquilo que todos sabem o que é." Ironia à parte, em que pese o que existe de controvertido na definição do respeitado professor Geraldo Rodrigues, acolho com simpatia o que afirmou em livro clássico de Estética: "A Arte, qualquer que seja sua definição é uma causa profunda, mais inconsciente do que consciente, mais instintiva do que racional, qualquer coisa que repercute no lado noturno e desconhecido de nós mesmos, que lança ecos desde as profundezas do nosso oceano interior."

Peca o respeitado professor ao reforçar a definição romântica da Arte como algo de que é quase excluída a razão humana, pois advinda das forças do divino e do milagroso, que adquire forma pela ação de um ser iluminado de que nos falou Platão, capaz de modelar e organizar a matéria caótica existente a partir da imitação de modelos eternos e perfeitos. Sabe-se, no entanto, que a atividade do artista é processo consciente e racional, do qual nascerá a realidade dominada pelo talento, domínio da técnica, dos meios, recursos e convenções, ao que se soma, não menos importante, a emoção estética de que resulta a obra de arte que transmite aos outros homens.

É conhecida a afirmação do pintor Mondrian: "A Arte desaparecerá na medida em que a vida adquirir mais equilíbrio". Suas palavras, como é recorrente mesmo nos meios ditos intelectuais, foram extremamente mal compreendidas. A Arte tornar-se-ia desnecessária um dia. Ora, pois.

É de Ernst Fischer, o estudioso austríaco, a interpretação que me parece inconteste sobre a necessidade da Arte pelo sem-fim dos tempos, uma vez que, para ele, mesmo nas sociedades mais avançadas (Suécia, Dinamarca, Suiça, por exemplo) o perfeito equilíbrio entre o homem e o mundo é algo improvável, como em parte podem confirmar os números alarmantes de suicídios.

Não à toa, na contramão do que professa a tola afirmação de que a Arte não tem função, bastando-se por si mesma, num elogio delirante do que se convencionou chamar de Arte pela Arte, é inegável que lhe são próprias as mais diferentes funções. Como indaga Fischer, há pouco citado, não satisfará ela a muitas outras necessidades?

É bastante, para tanto, que se procure responder a algumas relevantes indagações: Por que milhões de pessoas leem livros, ouvem música, visitam museus, vão ao teatro, ao cinema? Por que não nos basta a vida que dizemos real? Por que nos voltamos, atentos e emocionados, para o quadrado do palco ou da tela de cinema onde acontecem coisas "irreais" e as tomamos como se tratasse de realidades intensificadas?

Foi um poeta e dramaturgo alemão, Bertolt Brecht, quem nos advertiu um dia: "Nosso teatro [a Arte, pois] precisa estimular a avidez da inteligência e instruir o nosso povo no prazer de transformar a realidade".

Num país como o nosso, mais do que nunca, a Arte se faz necessária. E cabe à escola preparar os jovens para serem capazes de entender os seus muitos sentidos, a sua força e a sua beleza incomensurável  --  capazes de compreendê-la em toda a sua complexidade, levando-os a encarar o mundo com mais sensibilidade (senso estético), de forma mais criativa e mais crítica. A arte humaniza, leva o homem a se tornar pleno. A Arte serve para aproximar os homens, para uni-los como seres iguais e para fomentar dentro de cada um o desejo de viver em comunhão. A Arte embeleza a vida, torna-a mais feliz e, quando isso for inevitável, torna-a também mais suportável. A Arte existe, como professou Nietzsche, para que o homem não morra de tanta realidade. Negá-la como um direito de todos, na escola, como é o caso, é ato criminoso que se deve combater com todas as forças. Mais que um prazer, a Arte é uma necessidade da condição humana. 


 

A propósito da coluna anterior


Está na Folha, edição deste sábado 24: "Temer recua e dá sobrevida a artes e educação física". Coerência é o nome disso, embora fique difícil acompanhar o ritmo das contradições do presidente ilegítimo. É que, sob pressão de professores e entidades ligadas à arte e à educação física, o governo recuou da decisão de tornar não obrigatórias as disciplinas de arte e educação física no ensino médio. É possível que Temer, no exercício de sua incoerência coerente, faça o mesmo nas próximas horas em relação às disciplinas de sociologia e filosofia. Aguardemos.

Mea-culpa: O nome do assessor de Temer favorável à descriminalização do caixa dois é Geddel Vieira Lima, erro pelo qual pedimos desculpas aos leitores do blog.

Em tempo: O ministro Teori Zavascki autorizou apuração preliminar de suposto envolvimento de Temer em pagamento de propinas da Transpetro, conforme delação de seu ex-presidente Sérgio Machado e de seus filhos.

Incoerência coerente


Vamos combinar. Em termos de incoerência, o presidente ilegítimo Michel Temer tem se mostrado extremamente coerente. Primeiro, afirmou que sabia lidar com bandidos  --  e quem tem dúvida de que está cercado deles? Depois, sob as mais esfarrapadas alegações, extinguiu o Ministério da Cultura, para recuar em seguida. Montou uma equipe que mais parecia um clube do Bolinha, mas, debaixo da gritaria que seu ato ocasionou, voltou atrás e indicou mulheres para cargos importantes por "considerar a presença de mulheres no atual governo uma questão fundamental" (sic). Diz-se atento às questões raciais, mas entrega ao PSDB, o partido político mais racista do país, a Secretaria de Igualdade Racial. Na esteira de avanços e recuos, produziu um projeto de mudança da previdência que mais parece um ato institucional contra os trabalhadores, mas afirma que "seus direitos e conquistas jamais serão objeto de qualquer revisão" (sic). Mandou que o seu fiel escudeiro Gidel Dantas tentasse emplacar, junto a deputados de sua base, na calada da noite, um projeto de lei que pouparia apaniguados da lei da Ficha Limpa. Como o tiro saiu pela culatra, declarou nos Estados Unidos que a atitude de seu mais importante assessor era "personalíssima!"(sic). Há dias, determinou ao Ministro da Cultura a constituição de uma equipe "especializada e imparcial" para indicar o filme brasileiro a concorrer ao Oscar, priorizando, acima de qualquer outra coisa, a qualidade estética dos concorrentes, contanto que "Aquarius", o melhor filme produzido no Brasil em anos, ficasse de fora. Por último, a propósito das Olimpíadas de 2016, exaltou o esporte como "algo de uma importância insofismável para qualquer país". Ato contínuo, enviará para o congresso Medida Provisória que tornam não obrigatórias no currículo de ensino médio, entre outras, as disciplinas de artes e educação física. É ou não um presidente coerente com sua incoerência?

 

Para além do capital

Desde a queda do muro de Berlim, com a simbologia que isso necessariamente implica como colapso do modelo socialista vigente na antiga União Soviética e países a ela atrelados, ao que se soma a atual crise dos governos de esquerda na América Latina, é natural que o discurso neoliberal se mostre fortalecido e se dissemine a ideia de que não existe mesmo alternativa ao capitalismo.

Diante disso, mais do que nunca se faz necessário que a esquerda (mesmo debaixo de uma fragilidade política e teórica inegável, a exemplo do que se vê no Brasil hoje) tente fundamentar sua utopia em bases acadêmicas consistentes e capazes de ensejar buscas de alternativas ao que se nos apresenta como a definitiva vitória de um modelo excludente e perversamente desigual. Nessa perspectiva é que livros como Para Além do Capital, do húngaro István Mészáros constitui uma leitura por demais recomendável.

Com o sugestivo subtítulo Rumo a uma teoria da transição, o livro de Mészáros não é uma novidade nos meios acadêmicos: a sua tradução para o português, a partir do original inglês de 1995, para que se tenha uma ideia, é de 2002, ano de lançamento no Brasil sob os cuidados editoriais da Boitempo, em inícios do governo Lula. Mas, produzido, como disse, no contexto de uma aparente derrocada do socialismo, trata-se de uma refinada revisão dos pressupostos básicos do marxismo. Não o marxismo de O Capital, cuja fundamentação teórica toma como referência os primórdios de uma estrutura de espoliação do trabalho (ainda que Marx tenha racionalmente feito alusão à história da luta de classes nesse e noutros escritos seus não menos importantes, com destaque para o manifesto de 1948). Não à toa, assumidamente, Mészáros, ao escrever seu livro extraordinário, levou a efeito o que já fora um projeto nunca realizado de Georg Lukács, outro intelectual húngaro indispensável para quem se dedique a ler com correção a grande literatura de esquerda: investigar o capitalismo hoje, o mundo contemporâneo com sua lógica igualmente perversa e fatalmente condenada a inviabilizar-se por si mesmo num futuro que, infelizmente, não se pode prever com segurança.

A tarefa hercúlea do intelectual húngaro tomou-lhe, quando menos, duas décadas de rigorosa interpretação do marxismo, do que resulta essa reflexão incontornável acerca do capital em suas diferentes formas. A esta altura, faz-se necessário evidenciar o primeiro passo de Mészáros na sua empreitada: estabelecer diferenças entre o que se deve entender por "capitalismo" e por "capital". A confusão conceitual entre um e outro, afirma, terá sido talvez a razão mais decisiva para o desmoronamento do socialismo desde a Revolução de 1917 até as movimentações mais recentes como as de Cuba e da Venezuela. Segundo esclarece com objetividade no seu texto, "o capital antecede ao capitalismo e é a ele posterior", isto é, por capitalismo deve-se compreender uma das muitas formas de exploração do trabalho, uma de suas possibilidades históricas.

No prefácio à edição brasileira, escrito na Inglaterra em 2000, István Mészáros reporta-se ao Brasil como uma potência em termos regionais, referindo-se à repercussão da crise 1998-1999 nos Estados Unidos e na Europa. Aqui, pontualmente, seu livro faz uma leitura otimista do protagonismo brasileiro no contexto da América Latina, em cujo cenário impõe-se como uma força capaz de se contrapor aos interesses imperialistas americanos e constituir um exemplo vitorioso para os demais países do continente.

Em face do que se vê hoje, no entanto, Para Além do Capital, embora imprescindível para a elaboração de um pensamento de esquerda atualizado, capaz de superar os desacertos de práticas socialistas possíveis e equivocadas, traz em si o germe da contradição, o que, diga-se em tempo, mais ainda evidencia a sua importância como exercício teórico. O que se vê, para além de constituir uma falsa consciência de inviabilidade do modelo socialista, é que o processo se dá em meio a forças históricas (dialéticas!) naturalmente antagônicas, nunca como uma demonstração inquestionável da vitória do imperialismo hegemônico mundial. Para o autor desse livro absolutamente importante, sobremaneira diante do que se faz perceber no Brasil hoje, "somente um movimento socialista de massas tem condições de enfrentar o grande desafio histórico que nos espera no século decisivo à nossa frente". Na perspectiva do que adverte Daniel Singer, aludindo aos equívocos de uma "esquerda desnorteada", Para Além do Capital reforça indicativos de que "a renovação do socialismo esteja mais próxima do que pensamos". Um livro raro sob todos os aspectos.

 

 

Espetáculo farsesco

No teatro, define-se como "recurso dramático" (do francês ressort dramatique) o mecanismo que, sem se dar a ver, mas da maneira mais eficiente possível, comanda a ação, organiza-a de modo a constituir a chave das motivações e da intriga. Patrice Pavis, um dos teóricos mais conhecidos e respeitados do mundo, assinala que "esses recursos estão centrados nas motivações das personagens, na disposição da fábula, no suspense da ação e no conjunto dos procedimentos cênicos que contribuem para criar uma atmosfera teatral e dramática capaz de cativar o espectador".

Boileau, autor de Arte Poética, um dos tratados teóricos que maior influência exerceram sobre os profissionais do teatro no Ocidente, diz que "o segredo é agradar e tocar: inventar recursos que possam me prender". Noutras palavras, o alvo é envolver o espectador nas malhas da trama, para o que lança mão de efeitos e motivações fáceis através de forças conscientes do comportamento do ator no intuito de tornar 'crível' suas falas, quase sempre decoradas e previamente medidas com a finalidade de convencer.

Nesses termos, o que se viu ontem durante a explanação do coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, em rede nacional, exemplifica à perfeição o que são "recursos dramáticos", no caso, explorando a intriga, cujo objetivo indisfarçável de condenar o ex-presidente Lula e tirá-lo de forma humilhante do cenário político de 2018. Errou na dosagem, no entanto, foi além do que é recomendável e, por não conter excessos, que põem por terra um dos requisitos indispensáveis da boa dramaturgia, a verossimilhança, tornou o espetáculo chulo, rasteiro, rude, típico de um teatro de quinta categoria.

Numa perspectiva clássica, "verossimilhança" é o que, na representação, nas ações das personagens, "parece verdadeiro" para o público, no plano das ações e nos meios a que o ator recorre na maneira de representá-las em cena. Não foi o que se viu. Dallagnol, como mau ator, carregou nas tintas, não soube dosar suas falas e, com isso, tornou evidentes os recursos dramáticos. Desconstruiu o espetáculo, transformando-o num dramalhão sem força dramática e sem poder de convencimento. A verossimilhança, embora seja um conceito dos homens de teatro, diz respeito ao público, à recepção do espectador, pelo que se faz indispensável para produzir o efeito e a ilusão de verdade.

Não estamos falando de verdade histórica. No teatro, o que importa é o caráter verossímil, ou seja, o que parece verdade, plausível, aquilo que é possível ou provável por não contrariar a verdade. Para Aristóteles, que escreveu muito antes de Cristo outra Arte Poética de que não se pode prescindir, "historiador e poeta se distinguem, o primeiro por relatar acontecimentos que ocorreram, o outro os acontecimentos que poderiam ocorrer. Por isso, diz ele, a poesia é mais filosófica e de caráter mais elevado que a história; pois a poesia conta mais o geral e a história o particular".

Mas é preciso, indispensável mesmo, que, para ser bom, o espetáculo tenha uma certa tensão entre o que cativa, por ser fantástico, maravilhoso, e o que é aceito pela opinião e pela crença do público. Sem isso, insisto, não há competência dramática, o ator não persuade, é incapaz de fazer com que o espectador acredite no seu discurso ou aceite o que diz por meio de suas razões e argumentos bem fundamentados.

Ao fiasco do ator Dallagnol, diga-se em tempo, soma-se a sua incompetência como autor da peça. O bom texto não se permite o grosseiro, o demasiadamente apaixonado, o tom artificioso, a dicção odiosa. Foi repetitivo, abusou nas referências nominais ao antagonista; foi explícito demais em suas intenções, enfático em suas acusações esvaziadas de provas. Em síntese, arvorou a personagem, pela fala impregnada de paixão, como um deus, um demiurgo, o artesão divino de que nos falou Platão. Em teatro, chama-se isso hamartia, a falha trágica do herói. O que se pretendeu um espetáculo épico, em oposição ao teatro clássico aristotélico, resultou farsesco. Como nos lembram os estudiosos do teatro, no entanto, a farsa sempre é definida como forma primitiva e grosseira, que não se pode elevar sequer ao nível da comédia. Quanto a esta grosseria, diz Pavis, o teórico aqui citado, nem  sempre se sabe muito bem se ela diz respeito aos procedimentos demasiado visíveis e infantis do cômico ou à temática escatológica.

As locuções adjetivas desferidas contra a figura do ex-presidente Lula refletem a ira dos inconformados. Nenhuma prova, mas a afirmação leviana de que "no centro deste núcleo está o senhor Lula"; nenhuma prova, mas a dedução subjetiva de que"Sem o poder de decisão de Lula esse esquema seria impossível"; nenhuma prova, mas a conclusão condenatória de que "Lula era o comandante máximo do esquema criminoso descoberto pela operação". Não sabe o leviano que, há mais de 20 anos, portanto bem antes de Lula chegar ao poder, o esquema criminoso da Petrobrás já fizera outra vítima, Paulo Francis, a quem a História do país um dia haverá de fazer justiça. Mas sobre isso escreverei depois.

 

 

 

 

Vergonha e tristeza

No filme Flores Raras, de Bruno Barreto, há uma cena antológica. Elizabeth Bishop ouve no rádio a notícia do golpe de Estado contra o presidente João Goulart, desloca-se até a janela do apartamento, na Av. Atlântica, em Copacabana, e repara num grupo de homens jogando futebol na praia. Ela não se contém e fala para si mesma: "Que país é este, em que um presidente é destituído por um golpe e as pessoas, indiferentes, jogam futebol na praia?"

Fico imaginando o que diria a poeta americana ao saber que, de novo, fato semelhante acaba de ocorrer no Brasil e comemora-se isso com uma desfaçatez que a um tempo envergonha e causa indignação.

Flores Raras, uma das mais felizes realizações do cinema nacional dos últimos anos, tem como pano de fundo o golpe de 1964, e a história gira em torno do relacionamento homossexual entre a arquiteta brasileira Lota de Macedo Soares e Elizabeth Bishop. Indo a fundo na discussão do tema, no que se preserva dos clichês com que tradicionalmente se tem tratado os relacionamentos gays no cinema, Barreto, para além de fazer um filme esteticamente irretocável, pela beleza da fotografia e escolha de estratégias narrativas que põem em evidência tratar-se de um craque na matéria, expõe com sutileza a sua percepção do que representa (ou, no nosso caso, deveria representar) a destituição de um chefe de Estado por força de mecanismos que ferem de morte a democracia.

O espanto de Bishop, que nem era uma mulher tão comprometida com questões políticas, constitui um instante sublime do filme e toca a consciência do espectador de forma indelével. Lembro que, ao sair do cinema, ouvi comentários reiterados sobre a fala da personagem. Ela reflete uma marca do caráter brasileiro que muitas vezes se nos passa despercebida, mas não aos olhos de quem, vindo de fora, percebe nos primeiros contatos alguns dos nossos problemas mais atávicos: a superficialidade política, tomando aqui o termo no seu sentido mais vertical, de que decorrem muitas e muitas das nossas mazelas. 

O espetáculo do impeachment, ou do golpe urdido contra 54 milhões de brasileiros, dá bem a medida de como entendemos a atividade política e a transformamos numa prática desavergonhada de interesses pessoais e grupistas, numa troca de favores que enlameia o que deveria ser uma arte ou ciência de organização coletiva pelo bem comum. Para não falar, claro, no que era mesmo o objetivo mais frontalmente perseguido pelos canalhas do PMDB e companhia, qual seja o controle da operação Lava Jato que mantem na intimidade de suas malhas investigativas nomes de peso de parte significativa dos senadores golpistas.

Barreto expõe no seu belo filme as fraturas morais de uma elite inescrupulosa, indiferente aos meios de que lança mão sempre que seus privilégios e regalias venham a ser minimamente afetados, movida, invariavelmente, pela sordidez no trato com a coisa pública e na utilização de expedientes que lhe assegurem, a qualquer custo, a manutenção de vantagens advindas, direta ou indiretamente, do poder político. Nesse sentido, aliás, são recorrentes as cenas em que a escritora americana demonstra sua inquietação em face do descaramento de alguns "notáveis" do Brasil de meados do século XX, notadamente nos encontros sociais em que pode perceber como a elite brasileira se comporta diante da realidade política do país, o golpe militar, por exemplo. Atente-se para o fato de que se trata de uma americana de perfil psicológico típico, o que poderia resultar num leitura menos crítica em face da destituição de um presidente identificado com os movimentos populares do país e escolhido, pelos serviços de informação ianques, como uma ameaça para os interesses dos Estados Unidos no continente.

Quanto ao que se viu no Senado entre 29 e 30 de agosto, diga-se, e ao que se lhe seguiu, mais que o estranhamento que tomou conta de Elizabeth Bishop ao ver brasileiros jogando futebol nas areias de Copacabana, indiferentes aos acontecimentos que arrastariam o Brasil para o abismo escuro de vinte anos de ditadura, o que se deve sentir é um misto de nojo e vergonha, de desencanto, de desesperança... Ao que se deve somar, por inevitável, um sentimento de profunda tristeza, pela forma como parte de um país se curva (e parcialmente festeja!) o retrocesso, pisoteando, como matadora de si mesma, as conquistas democráticas e os avanços sociais dos últimos 13 anos.

 

 

 

 

 

 


 

Paixão

Acordou cedo. Ainda à cama, olhou o corpo seminu da mulher, sono profundo. Tateou o travesseiro, tenso, abraçando-o como a uma pessoa amada... como se tentando entabular conversa. Banho rápido, e o café da manhã, de costume tão farto, limitou-se a um suco de laranja e uma xícara pequena de café.

--  Meu Deus!

No carro, a caminho do trabalho, o pensamento de volta, um tipo de obsessão, a mulher dos últimos encontros, o jeito descontraído, a boca carnuda proferindo a sentença: "Te quero!", e o perfume forte a persegui-lo, como se o mundo, de repente, exalasse um só aroma. No sinal, um rápido olhar para a pasta repleta de papeis, esquecida sobre o banco do carro desde a noite anterior. A lembrança de que não conseguia avançar no serviço, organizar a vida profissional, antes impecável. Afrouxa a gravata, sente calor, apesar do ar-condicionado ligado e do dia nublado de inverno.

--  Te quero!

A voz rouca a persegui-lo, persuasiva, hipnótica, a produzir nele o desejo do reencontro, que se renova a cada instante, acende-o, deixa-o em brasa. Experiência diferente, no entanto, de tantas outras, quando o encontro erótico era um momento luminoso, subtraído da vida comum, do qual, ego acariciado, parecia, sempre, nascer um novo homem  --  Machismo!, dizia-lhe uma amiga confidente  --, bem disposto, a retomar as coisas de rotina.

No trabalho, depara com a secretária apreensiva com o volume das pendências, os contratos por assinar e a agenda de reuniões a acumular-se, as viagens canceladas, sem uma justificativa plausível  --  "O quê se passa com o doutor Henrique?"

O celular toca.

--  Amor, o que houve, saiu sem me acordar, nem o café...

--  Não, nada. Está tudo bem.

Sexto sentido, a mulher indaga:

--  Vem almoçar em casa? As crianças...

--  Não, não, hoje não dá, a gente janta juntos.

Desliga o celular, coração cindido e o pensamento obsessivo, o cheiro forte do perfume, a voz rouca, insistente  --  "Te quero!"

Aturdida, a secretária anuncia-lhe a chegada de um empresário importante.

--  Henrique, por que não assinou o contrato? Estamos perdendo dinheiro...

Pede um novo prazo para examinar o texto... amanhã, talvez.

O homem retira-se aborrecido. E o dia, para Henrique, passa como um sonho em que se alternam boas e más sensações. Sente que, dessa vez, não se trata de mais uma aventura, intermezzo luminoso, instante de eternidade na vida de um homem.

Agora já não é o instante de erotismo que guarda na memória, mas o objeto de uma novidade que lhe parece sublime, o corpo torneado, os lábios carnudos e a voz rouca que não desiste em seus propósitos de conseguir o que pretende  --  "Te quero!"

E, ao lado de uma profusão de imagens e delírios e prazeres e fascínios, a certeza angustiante de que está pondo em jogo uma vida feliz, a família, anos de dedicação de uma mulher não menos bela e sedutora.

No trânsito, a caminho de casa, o aperto no peito, a vontade de tomar outro rumo, de antecipar o reencontro acertado por telefone para sábado, aquelas mãos que o punham louco, o talhe perfeito, o bronzeado das curvas e a boca, insistente, como uma gravação centenas de vezes repetida:

--  Te quero!

Entra em casa, a mulher, solícita, vem ao seu encontro, enlaça-lhe o pescoço, beija-o e, sexto sentido, percebe com carinho a sua expressão amargurada.

--  Algum problema, Amor?

--  Não, não. Tudo bem!