A propósito da coluna anterior


Está na Folha, edição deste sábado 24: "Temer recua e dá sobrevida a artes e educação física". Coerência é o nome disso, embora fique difícil acompanhar o ritmo das contradições do presidente ilegítimo. É que, sob pressão de professores e entidades ligadas à arte e à educação física, o governo recuou da decisão de tornar não obrigatórias as disciplinas de arte e educação física no ensino médio. É possível que Temer, no exercício de sua incoerência coerente, faça o mesmo nas próximas horas em relação às disciplinas de sociologia e filosofia. Aguardemos.

Mea-culpa: O nome do assessor de Temer favorável à descriminalização do caixa dois é Geddel Vieira Lima, erro pelo qual pedimos desculpas aos leitores do blog.

Em tempo: O ministro Teori Zavascki autorizou apuração preliminar de suposto envolvimento de Temer em pagamento de propinas da Transpetro, conforme delação de seu ex-presidente Sérgio Machado e de seus filhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário