Minha mascote, o Zé

Quando a imprensa divulgou a mascote da Copa do Mundo de 2014, no Brasil, como todo torcedor metido, fiquei muito frustrado. Primeiro porque não vejo graça nesse tatu-bola escolhido para simbolicamente nos representar, além, claro, do fato de sua espécie carregar no nome a palavra com que se designa o instrumento indispensável para a prática do esporte bretão. E a sugestiva forma, vá lá, que o animal assume sempre que se sente acossado. Muitas outras modalidades também não podem prescindir do mesmo instrumento. O argumento de que a escolha remete às campanhas em favor da preservação do meio-ambiente, que anima os entusiastas da mascote, também não me convence. Pelo menos a mim, que esperava uma outra figura, muito mais 'brasileira' em sua malemolência, simpatia e leveza, literalmente. Além disso, também o bom papagaio sofre ameaça de extinção.
 
Não bastassem tantos bons atributos, o meu indicado faz este ano 70 anos, no momento em que foi escolhido o tatu como o nosso exótico representante. Para não falar que não é todo dia que um brasileiro de quatro costados alcança tamanha longevidade, pelo menos quando se trata, como ele, de um brasileiro pobre, duro mesmo, folgado e desempregado, mas que não perde a alegria de viver e viver bem em meio a tamanhas adversidades. Ou seja, o legítimo brasileiro, tão macunaímico quanto a adorável personagem de Mário de Andrade, o maior e mais simbólico dos intelectuais brasileiros em sua inarredável disposição de imortalizar o verdadeiro Brasil e suas tradições. Pois o leitor, que deve estar se coçando de curiosidade, fique sabendo: o meu escolhido seria o Zé Carioca!
 
Explicada a minha intromissão em assunto que não me diz respeito, ou sim, para contrariar Caetano, que por sinal tem a mesma idade do Zé, repasso ao leitor um pouco da biografia do meu "herói", que, embora sem nome, junta forças para zombar dos outros, como outro Zé que também adoro, o de Carlos Drummond de Andrade. Mas deixemos de delongas e vamos aos fatos.
 
Zé Carioca foi gerado em 1941, num salão do Copacabana Palace, no Rio de Janeiro, como o sobrenome deixa ver. Mas o seu registro de nascimento é de 1942, quando o pai, ninguém menos que um certo Walt Disney, revelou ao mundo a chegada do herói brasileiro, que já veio assim, estiloso que só, com seu fraque, sua gravata-borboleta, seu chapéu de palhinha, seu charuto e seu chapiliniano guarda-chuva, inspirado num tal Dr. Jacarandá, personagem folclórica dos bares cariocas dos velhos tempos.
 
Minha simpática mascote, como se vê, já chegou abençoada, pelos deuses e pelos orixás, para fazer companhia ao rabugento Pato Donald e, com sua graça e malandragem, anunciar aos quatro ventos que, na contramão das evidências, é possível ser alegre e feliz sempre, mesmo sendo brasileiro. O diabo é que tem um nome que lembra, nestes tempos de trevas, um outro Zé, o qual, diga-se de passagem, não anda com essa bola toda. 
 
 
 
 
            
           

5 comentários:

  1. Prezado Álder

    Parabéns por sua crônica, que com aguda sensibilidade identifica que nossas características e tradições culturais tem mais ligações com a figura do Zé Carioca do que com o Tatu-bola. Concordo com você que o Zé Carioca, vamos assim dizer, tem mais afinidades com o “jeitinho” brasileiro, nossa marca registrada histórica. Agora, pensando bem: como o Zé Carioca é um pássaro, porque não escolher um Tucano? .....rsrsrs ......
    Quanto ao outro Zé, a se crer na seriedade da justiça brasileira, imagino que ele poderá, no máximo, assistir aos jogos da copa pela televisão.
    Um forte abraço
    José Luiz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro Luiz! Você e suas 'tiradas' sempre inteligentes... Infelizmente, no caso, a visada deste humilde escriba não coincide com a sua, fato natural entre pessoas inteligentes e amigas. No que respeita à sugestão do tucano para simbolizar a nossa esperança na seleção, cabe uma pequena correção: falávamos de espécies em risco de extinção, não daquelas que, pelo menos como mascote, já estão mortas e bem sepultadas.
      Agradeço-lhe a honrosa visita e o descontraído comentário.
      Abração!

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Caro Álder, a remoção acima deveu-se a alguns erros de pontuação. O que havia escrito: Não fui contrário à escolha do tatu bola , como mascote. Válido, por demais, seu comentário a cerca do Zé Carioca o que, como conheço o seu caráter, jamais envidaria comparações como a que foi feita pelo comentário postado alhures. Também, por correto, a alusão à extinção do tucano. O que me causou espécie foi o nome: Fuleco. Aí doeu! Fuleco é fuleragem, meu caro escriba. Grande abraço.

    ResponderExcluir