Carta a um reacionário

 

Senhor sociólogo FHC,

 

A exemplo de um país inteiro, pasmei diante de suas últimas declarações à imprensa brasileira sobre os eleitores de Dilma Rousseff, as quais, conclusivamente, tomo a liberdade de reproduzir aqui: - "... votam na Dilma porque desinformados".

Não, senhor FHC... o senhor está redonda e levianamente enganado.  Voto em Dilma Rousseff, a exemplo do que afirma um dos "desinformados" que o senhor conhece muito bem, Chico Buarque de Holanda, para não falar de Marilena Chauí, Ziraldo, Leonardo Boff, Luís Fernando Verissimo, entre outros, porque sei do passado dessa mulher valente e íntegra, que, diferentemente do senhor, à época militante da esquerda, não escapou do Brasil, na calada da noite, para um exílio confortável no Chile, regado a vinhos finos e caviar importado da Rússia.

Não, senhor sociólogo. Voto na Dilma porque admiro a dignidade com que suportou os maus-tratos físicos e psicológicos a que foi submetida pela ditadura militar, enquanto o senhor, refugiado no país amigo, refestelava-se entre intelectuais, livros e discos.

Voto em Dilma porque não me faltam olhos para ver os milhões de brasileiros, historicamente relegados ao submundo de sua miséria, que têm hoje comida na mesa, filhos no colégio ou na universidade, que frequentam shoppings, vão ao cinema, a restaurantes com seus familiares nos fins de semana, que viajam de avião, que se vestem dignamente, que podem comprar o seu carrinho e pagá-lo sem atraso, porque sabem que não ficarão desempregados da noite para o dia, como era comum no seu governo como presidente da República.

Votamos em Dilma porque queremos ver esclarecidos, independentemente de partido, os ilícitos da Petrobras (lembra que o senhor defendia a sua privatização e até o nome da empresa propôs mudar?) em que o seu partido, o PSDB, sabe-se agora, está envolvido, conforme assevera o delator Paulo Roberto Costa. Mas não é isso, apenas, senhor FHC, queremos o mesmo em relação aos escândalos do Sivam, do cartel do Metrô de São Paulo, do Mensalão Mineiro, da Privataria Tucana, do caso TELEBRAS, da Compra de Votos para a sua reeleição, dos aeroportos de Claudio e Montezuma e outros tantos que a Justiça, acumpliciada com o senhor e seus apaniguados, empurrou para debaixo do tapete.

Não sociólogo FHC, não votamos em Dilma Rousseff pelas razões que o senhor alega. Muitos dos "desinformados" a que o senhor se refere, em mais um lampejo incontido de sua vaidade empedernida, cursamos a universidade, lemos a fundo seus escritos, em cujas ideias acreditávamos e nos espelhamos um dia, na linha do que professa no seu Capitalismo e Escravidão no Brasil Meridicional, onde propõe a compreensão do processo de formação e desagregação da sociedade escravocrata a partir da realidade do negro no país; as mesmas ideias, lamentavelmente, que, algum tempo depois, para a nossa decepção, o senhor pediu que fossem esquecidas.

Votamos em Dilma, senhor ex-presidente, porque não nos identificamos, sob qualquer aspecto, com os valores e as práticas dos 5% da população brasileira que o seu candidato Aécio Neves representa à perfeição, esteja sóbrio ou não. Refiro-me àqueles que, na falta de uma terminologia mais precisa, são chamados hoje de ultra-ricos, que se beneficiaram às escancaras do seu governo excludente e concentrador.

Votamos na Dilma, não porque somos "desinformados", como o senhor desavergonhadamente afirma; mas porque nunca nos esquecemos da crise econômica e moral a que o senhor conduziu o país, elevando as taxas de juros a níveis históricos, bem como o desemprego e a inflação; porque ainda guardamos na memória a crise do apagão e a compra de votos no Congresso Nacional etc. etc.

Não, senhor FHC, não é a falta de escolaridade que rouba do homem a capacidade de se indignar com a mentira, a desfaçatez, o oportunismo cínico, a ganância de parte significativa do empresariado brasileiro, a serviço de cujos interesses, no governo ou fora dele, o senhor tem dedicado o seu tempo como político e como intelectual.

Voto na Dilma porque me enche de orgulho ver que o meu país não capitula mais, como era costume durante o seu governo, diante dos Estados Unidos e de suas sórdidas manobras para manter sob o seu domínio humilhante os países da América Latina.

Por último, senhor FHC, porque exulto ao saber que hoje temos voz altiva em termos de políticas mundiais,  por saber que fomos alçados à posição de país desenvolvido nesses 12 anos de governo do PT; porque é bom saber que o senhor, que tanto sabe em termos acadêmicos, enrubesce de inveja de um homem do povo, como Lula; por poder contemplar o riso solto dos humilhados e ofendidos de outrora, tempos a que o senhor, pelos métodos mais inconfessáveis, com a sua megalomania cafona, sonha reconduzir o país.

 

 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário