Love

Do artista plástico e professor universitário Herbert Rolim, vem um comentário elogioso à coluna da semana passada. A uma dada altura, todavia, o amigo faz uma correção pertinente: a cena final de Love termina com a imagem congelada do personagem abraçado ao filho  --  e não à filha, como escrevi. Perfeito. O equívoco faz diferença se levarmos em conta que, pela metade do filme, Murphy revela-se preocupado com a sexualidade do filho quando crescer. Mas, aí, seria outro o viés de análise. O filme, para mim, tem como eixo temático a paixão e sua força muitas vezes devastadoras na vida das pessoas, sem que isso revele qualquer negativismo sobre um sentimento absolutamente importante na vida de todos nós.
 
A história oscila, portanto, em torno de duas perspectivas da paixão. A primeira delas, a perspectiva clássica, isto é, a paixão trágica, porque invariavelmente tem um final infeliz, em que pesem os momentos de realização dos amantes. A segunda, mais intensa no conteúdo dramático do filme, explora o que Denis de Rougemont define, em livro fascinante sobre o assunto, como o amor cortês. Surge entre os séculos XII e XIII e caracteriza-se pela impossibilidade da relação. É o tipo que perpassa a vida dos amantes no Ocidente.
 
A propósito, lembro aqui um fato curioso: um dos signos passionais mais conhecidos na cultura popular ocidental, a Marcha Nupcial, tem suas origens no terceiro ato da ópera Lohengrin (1848), de Richard Wagner. Nessa peça, a marcha é executada durante a cerimônia de casamento de Lohengrin e Elsa, com a participação do coro. Pouca gente sabe, no entanto, que se trata de uma das histórias de amor mais infelizes da grande arte, bem ao gosto do amor cortês a que nos referimos há pouco. Aos que depositam confiança em presságios, pois, essa seria a menos recomendável das músicas nupciais.
 
O fato é que o amor cortês, que tem suas raízes, como disse, na Idade Média, está presente nas mais importantes histórias românticas; das mais conhecidas, Romeu e Julieta à frente, às menos populares, entre as quais merecem destaque a de Tristão e Isolda e a de Lancelot e Guinevere. Shakespeare foi talvez o mais sublime artista a lidar com a matéria, e Otello, subjetivação à parte, permanece viva até hoje por lidar à perfeição com o tema do ciúme, razão de tanta infelicidade entre casais de todos os tempos. Corrijo-me: sobre o tema, a perfeição ficou mesmo foi com Machado de Assis e o seu estupendo Dom Casmurro.
 
Love, o polêmico filme de Gaspar Noé, por sinal, ao explorar o amor cortês na atualidade (fazendo-o com competência, a exemplo do que pretendi mostrar), não passa ao largo desse componente diabólico na vida dos casais. As cenas em que Murphy se deixa dominar pelo ciúme de Electra, cujo nome não é detalhe desprezível, por nos remeter ao mito, são absolutamente impactantes do ponto de vista cinematográfico, e conduzem os amantes, com poesia, para o desfecho 'trágico'.
 
O mais significativo, é que a paixão é uma experiência arrebatadora e não é aceitável imaginar um mundo sem o milagre da sua presença. Se isso ocorre, e ocorre quase sempre de forma a nos roubar de nossa própria individualidade, "dessa prisão do eu que condena a nossa própria e solitária morte", como bem frisou Rosa Montero, um dos grandes nomes da literatura espanhola atual, no âmbito de sua existência (dela, a paixão) reside um dos segredos maravilhosos de Deus. E por isso vale a pena.
 
 
 
 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário