A lição das urnas

Como o mocinho num western de Sergio Leone ou John Ford, Lula apanhou apanhou, mas deu o golpe fatal e saiu por cima mais uma vez. É ter olhos para ver e consciência intelectual para saber discernir. Só. Depois de quase dois meses de massacre contra o PT, com a transmissão ao vivo do julgamento do mensalão alcançando níveis de audiência só comparáveis aos das telenovelas, o que se pode concluir das urnas, nesse domingo 7, é fato insofismável: Luis Inácio Lula da Silva é, de longe, a maior liderança política do país.
 
Vamos aos números? O PT, que contava 550 prefeituras, agora soma 612, não contabilizadas as cidades em que o partido vai disputar o segundo turno com amplas chances de vitória, a exemplo de Fortaleza, Salvador e São Paulo, de cima para baixo do mapa. Na capital paulista, onde o PT vinha patinando nos últimos pleitos, os indicativos são de que Fernando Haddad vai superar a marca obtida desde que Marta Suplicy, em 2000, com o apoio de Mário Covas, venceu Paulo Maluf e se elegeu prefeita. Daí em diante, todos sabem, o partido sofreu vieses impensáveis: de Genoino para Geraldo Alckmin, em 2002, para governo do Estado, de Marta para Serra, em 2004, idem; de Aloizio Mercadante para Serra, em 2006; de Marta para Gilberto Kassab, em 2008 e, por último, de Aloizio Mercadante para Alckmin, em 2010.
 
Na contramão da truculência que as elites lhe querem atribuir, no caso de São Paulo Lula demonstrou uma sensibilidade para os números eleitorais que, desde ontem, atordoados, os reaças de plantão estão sendo obrigados a engolir. Vejamos: em fins do ano passado o ex-presidente afirmara que nenhum quadro tradicional do partido seria capaz de superar a barreira dos 30% ou 35% do eleitorado da maior e mais importante cidade do país. Referia-se, é óbvio, ao primeiro turno, uma vez que esse percentual jamais será suficiente para fazer um prefeito de São Paulo. Tomou pela mão um nome desconhecido, mas capaz de conquistar a confiança de setores mais conservadores do eleitorado, sem os quais as chances de vencer no segundo turno são inexistentes. Resultado, Haddad não alcançou a meta histórica do partido mas tem amplas possibilidades de ultrapassá-la em muito no segundo turno, uma vez que Russomanno e Gabriel Chalita, nomes mais ao centro e à diretia da sociedade paulistana, praticamente estão condicionados a fechar com o candidato do PT. Confirma-se, como é fácil perceber, que Lula atirou no que viu e acertou em cheio.
 
Com isso, sob a liderança do ex-presidente, o PT abre o raio de alianças possíveis com o centro e a direita, numa estratégia que, se fere os mais radicais do partido, torna-o muito mais competitivo e fortalecido para as eleições que se aproximam. Ou seja, o PT, que tantos consideravam morto após o julgamento do mensalão, mata duas lebres com uma só cajadada: ganha em São Paulo e tira praticamente do páreo a presença incômoda do PSDB paulista, que supunha ver Lula e o PT esboroados nessas eleições.
 
O resultado das urnas, nesse domingo 7, como se vê, trouxe para os coveiros de Lula e do PT uma nítida lição: confirma a liderança incontornável do ex-presidente e a força eleitoral do PT, cuja votação ultrapassou a casa dos 16 milhões. Além, claro, de materializar que os brasileiros ainda se mostram confiantes no que ele e o seu partido representam.    
 

5 comentários:

  1. Prezado Álder

    Ciente de que a sua condescendência inspirada em Voltaire (Não concordo com o que dizes, etc, etc, etc ...) me permite abordar algumas questões sobre seu artigo muito bem elaborado, trago-lhe algumas considerações: 1 - Em que pese que o PT avançou em número de prefeituras conquistadas, o PMDB tem aproximadamente o dobro das prefeituras conquistadas pelo PT; o PSDB, aproximadamente 10% a mais 2 - A eleição em SP ainda está pendente. Será que o sincero entusiasmo do amigo o está deixando com excesso de otimismo? Vamos esperar o segundo turno 3 - Quanto ao Lula, os coveiros dele existem, sim, em Recife, capital do estado natal do ex-presidente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço-lhe pela visita e comentário sobre crônica A lição das urnas. Faça-o sempre!
      Abraço!

      Excluir
  2. Olá, Álder!

    De fato o PT “and” Lula saem vitoriosos nessas eleições. Mas, como de praxe, a “Gulobo e demais meios de comunicação ligados às oligarquias transnacionais (leia a “Verdadeira História do Clube Bilderberg”, senhor José Luiz, que fala da gente mais poderosa do mundo e seus planos), tentam distorcer os fatos em prol de suas ideologias de um Estado socialista com controle total das massas por meio de dispositivos eletrônicos diversos, nos transmitindo a informação como eles querem.

    É sempre bom lembrar que tanto a “Gulobo” quanto a Record cancelaram seus debates para protegerem Serra e Russomano respectivamente. Contudo, Haddad chegou e chegou bem para o 2º turno, fortalecido, em breve, pelas alianças com o PMDB e PRB.

    E tem mais, caro José Luiz, o mensalão de Minas, ligado ao PSDB, já vem sendo prorrogado há tempos. Mas a “Gulobo” nada divulga.

    Abraços, Álder, e sucesso sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela assiduidade ao blog e comentários sempre enriquecedores!

      Excluir
  3. Caríssimo Francisco

    Li “A verdadeira história do Clube Bilderberg” há alguns meses, e não pude deixar de considerar o livro uma emblemática obra da “Teoria da Conspiração”, opinião compartilhada por várias pessoas minhas conhecidas que também o leram.

    De qualquer maneira, não se pode proibir ninguém de se reunir; lembra-se de Ibiúna em 1968? O importante é o estado ter instrumentos institucionais para combater quaisquer tentativas ilegítimas, imorais ou anti-éticas de ação, exploração ou manipulação por parte de qualquer organização que seja.

    Ao ler suas críticas ao “Gulobo”, não pude deixar de lembrar que no mesmo dia em que li seu comentário no blog do nosso amigo Álder, recebi dois e-mail’s com críticas à imprensa brasileira (incluindo o “Gulobo”) por não noticiar: 1 - denúncias sobre o Lula publicadas na Europa 2 – críticas a governos totalitários, dando realce ao massacre de Katyn. É aquela velha frase do Millor Fernandes: Democracia é quando eu mando em você, Ditadura é quando você manda em mim. Embora o “Gulobo” seja o maior veículo de comunicação no Brasil, vamos lembrar que não é o único, e que quem tem competência se estabelece.

    Você pode ler na manchete de hoje da FSP, informando que o Haddad está com aproximadamente dez pontos percentuais na frente do Serra (47% X 37%). Como você me parece ser entusiasta dessa candidatura, parabéns ! E veja que a FSP é mal vista pelo PT!!!

    Um forte abraço

    José Luiz

    ResponderExcluir