Destino, inelutável destino

Por mais difícil que seja a situação, quando bem encaminhada, terá boa solução.
(Creonte, personagem de Édipo Rei)
________________________________________


É polêmica a questão em torno da inelutabilidade do destino, numa palavra, de que aquilo que tem de ser será. A vida, sendo algo que construímos pelas nossas próprias ações, muitas vezes inconscientes, haveria de resultar previsível e, cedo ou tarde, o círculo se fecharia, numa espécie de regressão psicanalítica, cujo desfecho nada mais seria do que uma face desconhecida do nosso próprio passado. O leitor talvez considere complicado o que estou querendo dizer. Calma, explico-me melhor: o homem não consegue se livrar daquilo que lhe foi traçado e escrito. Entendido?

Bem, o tema, como disse, é mesmo polêmico. A cada dia, contudo, vemos acontecer, aqui e além, fatos absolutamente surpreendentes. Na vida íntima das pessoas, no campo de suas profissões, no mundo político, nas questões mais fundas do que costumamos chamar de “fórum íntimo”. A cada dia, numa rotina que já não deveria mais nos chocar, somos informados de que alguém que se julgava imbatível, perdeu; de que super-homens tiveram suas vidas modificadas ao sabor dos ventos, das imprevisibilidades, e se revelaram, repentinamente, frágeis, debilitados; de que verdadeiros impérios desmoronaram como castelos de areia; relacionamentos que tínhamos como sólidos, ruíram por força de banalidades. Aí é que deveríamos perceber como são delicadas as bases que sustentam, a título de exemplo, beleza física, as fortunas materiais, as tolas vaidades, o poder. Aí é que deveríamos constatar como são finas as paredes que parecem separar mundos e realidades: a fartura, da carência; a saúde, da morbidez; o sucesso, do fracasso etc. Ou seja, a aparência, do que é essencial.

Não me ocorre melhor exemplo - porque a arte nos ensina -, que o de Édipo Rei, a peça homônima de Sófocles, um dos três grandes trágicos da Antigüidade (os outros dois são Ésquilo e Eurípides). O enredo é simples, embora constitua a tessitura dramática daquela que é, provavelmente, a mais bem realizada construção teatral de todos os tempos: Laio, a quem se amaldiçoara um dia - e a seus descendentes -, chega a Tebas e casa-se com Jocasta. Torna-se rei. Tudo parece ser felicidade, até que se ouça a terrível premonição do oráculo de Apolo: se tiver um filho, será assassinado por ele, que desposará a viúva. Na tentativa de livrar-se desse destino trágico, quando lhe nasce o filho Édipo, Laio entrega-o a um pastor com a determinação de matá-lo. Tocado pela beleza do pequeno, o pastor não cumpre o que lhe fora ordenado, entrega-o a outro pastor que, finalmente, confia-o a Pólibo, rei de Corinto.

Criado como um príncipe, Édipo ouve, certo dia, a informação de que é filho adotivo, o que procura esclarecer ouvindo o oráculo. Não apenas é filho adotivo, mas o destino o condenara a matar o verdadeiro pai e esposar a mãe. Transtornado, Édipo abandona Corinto e segue o caminho de Tebas. Numa encruzilhada, onde se encontram as estradas de Tebas e Dáulis, no que se poderia considerar um desentendimento de trânsito, discute com um senhor, a quem termina por matar. Uma parte do seu destino se cumprira. Segue viagem, e chegando a Tebas, depara com uma esfinge que desafia os transeuntes com um enigma, devorando-os por não saberem decifrá-lo. Édipo consegue a decifração e redime o povo de Tebas, que o premia duplamente: com o trono e com a mão de Jocasta, a rainha viúva. E sua mãe. É assim o destino dos homens? Não sabemos. Mas não custa cuidar, como se a peça de Sófocles ilustrasse uma verdade essencial. Afinal, como dizia minha mãe, prevenir é sempre melhor que remediar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário